Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas passam por flores deixadas para vítimas de ataque no centro de Londres, no Reino Unido. 06/06/2017 REUTERS/Marko Djurica

(reuters_tickers)

ROMA (Reuters) - O terceiro militante islâmico que realizou um ataque em Londres no sábado, deixando 7 pessoas mortas, foi identificado como Youssef Zaghba, um marroquino-italiano, afirmou a polícia britânica em comunicado nesta terça-feira.

"Embora a identificação formal ainda não tenha ocorrido, detetives acreditam que ele era Youssef Zaghba, de 22 anos, do leste de Londres", informou. Segundo a polícia, ele era um cidadão italiano nascido no Marrocos.

Anteriormente nesta terça-feira, uma fonte do serviço de inteligência da Itália havia identificado Zaghba como um dos autores do ataque. A fonte italiana afirmou também que a mãe de Zaghba mora na cidade de Bologna, no norte da Itália, confirmando uma reportagem do site do jornal Corriere della Sera.

O jornal informou que Zaghba, nascido na cidade de Fez, no Marrocos, havia sido parado no aeroporto de Bologna em 2016 quando tentava voar para a Síria e que autoridades italianas teriam avisado o Reino Unido sobre seus movimentos. A polícia britânica informou, entretanto, que Zaghba não era uma pessoa conhecida pelo próprio órgão ou do MI5.

"Todos os três homens envolvidos no ataque foram confrontados e mortos com tiros por agentes armados dentro de 8 minutos do primeiro chamado", acrescentou a polícia.

Os outros dois envolvidos com o ataque foram identificados pela polícia na segunda-feira como Khuram Shazad Butt, cidadão britânico nascido no Paquistão, de 27 anos, que era conhecido anteriormente da polícia e do MI5, e Rachid Redouane, de 30 anos, que também usava o nome Rachid Elkhdar e não era conhecido pela polícia. Redouane dizia ser marroquino e líbio.

(Reportagem de Antonella Cinelli)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters