Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Papa Francisco na Praça São Pedro 25/10/2017 REUTERS/Alessandro Bianchi

(reuters_tickers)

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - A Terra é algo frágil que pode até mesmo se destruir, disse o papa Francisco a astronautas na Estação Espacial Internacional nesta quinta-feira, dizendo que eles possuem uma oportunidade de ver o planeta “a partir dos olhos de Deus”.

Francisco passou cerca de 20 minutos em videoconferência com seis tripulantes da estação espacial, fazendo diversas perguntas, às vezes com a admiração de um menino.

“Olá ESA (Agência Espacial Europeia) no Vaticano. Aqui é a Estação Espacial. Nós ouvimos em alto e bom som”.

“Bom dia ou boa noite. Porque quando alguém está no espaço, nunca se sabe”, disse o papa atrás de uma mesa com um monitor colocado em sua frente.

O papa pareceu emocionado com os comentários do comandante da missão, Randy Bresnik, um dos três norte-americanos a bordo, que disse que o que lhe deu a maior alegria no espaço foi “poder olhar para fora e ver a criação de Deus talvez um pouco a partir de sua perspectiva”.

“As pessoas não podem vir aqui em cima e ver esta beleza indescritível da nossa Terra e não serem tocadas em suas almas”, disse Brenisk ao papa, acrescentando que “não há fronteiras, não há conflito; é somente pacífico”.

Em resposta, o papa disse que Bresnik havia “conseguido entender que a Terra é muito frágil e se vai em um momento."

“É uma coisa muito frágil, a atmosfera é fina, tão capaz de provocar danos, de se destruir, e você foi para olhar para isto a partir dos olhos de Deus”, acrescentou.

Francisco, o segundo papa a telefonar para a estação espacial – o papa Bento fez isto em 2011 – tem feito diversos apelos pela proteção do meio ambiente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters