Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

ANCARA (Reuters) - Um forte terremoto de magnitude 6,7 atingiu a costa sudoeste da Turquia na sexta-feira (horário local), segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS).

O terremoto, que ocorreu a 1h31 da madrugada (19h31 de quinta-feira no horário de Brasília), foi localizado no litoral da cidade costeira de Marmaris, na província de Mugla, informou o USGS. Fica perto das cidades turcas de Bodrum e Datca, ambas importantes centros turísticos, e a ilha grega de Kops, no arquipélago das Ilhas do Dodecaneso.

A governadora de Mugla, Esengul Civelek, disse que os relatos iniciais mostraram que não houve grandes danos. Ela afirmou que um pequeno número de pessoas sofreu ferimentos leves.

O prefeito de Mugla, Osman Gurun, disse que cortes de energia afetaram certas partes da província e que as operadoras de telefonia sofreram problemas devido a sobrecargas. O prefeito de Bodrum, Mehmet Kocadon, declarou que o terremoto causou rachaduras pequenas em alguns edifícios antigos.

A emissora turca NTV informou que réplicas do tremor estavam sendo sentidas na região, sendo que um terremoto secundário de magnitude 4,6 ocorreu a 1h52.

A agência europeia de terremoto EMSC informou que um pequeno tsunami seria causado pelo terremoto, mas autoridades disseram à mídia turca que grandes ondas eram mais prováveis.

O terremoto, inicialmente relatado como de magnitude 6,9, foi muito superficial, apenas 10 km abaixo do fundo do mar, informou o Serviço Geológico dos EUA.

O órgão de desastres e emergências da Turquia (AFAD) disse que o tremor teve magnitude de 6,3, enquanto as autoridades locais afirmaram que o terremoto foi sentido na costa do Mar Egeu.

Um tremor de magnitude 6,7 é considerado forte e capaz de causar dano considerável, mas os efeitos deste teriam sido atenuados por golpes no mar.

A Turquia é propensa a terremotos porque está localizada entre a placa arábica e a placa euro-asiática.

(Reportagem de Sandra Maler em Washington e Tuvan Gumrukcu em Ancara)

Reuters