Navigation

Tribunal francês aprova extradição de suspeito de ataque a museu na Bélgica

Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2014 - 13:51

VERSAILLES França (Reuters) - Um tribunal francês aprovou nesta quinta-feira a extradição para a Bélgica de um suspeito de participar do tiroteio de 24 de maio no Museu Judaico de Bruxelas, que deixou quatro pessoas mortas.

Mehdi Nemmouche, de 29 anos, está sob custódia da polícia, com base nas leis antiterrorismo, por suspeita de assassinato, tentativa de assassinato e posse de armas relacionadas ao ataque, desde que foi preso na cidade de Marselha, sul da França, em 30 de maio.

Nemmouche havia originalmente recusado a extradição, mas depois concordou contanto que a Bélgica não o enviasse para um terceiro país para julgamento. Seu advogado, Apolin Pepiezep, disse que Nemmouche temia ser enviado para Israel, dado que duas das vítimas do ataque eram israelenses.

Promotores dizem que Nemmouche já havia cometido ilegalidades na França, após ter sido condenado por assalto a mão armada, agressão e vandalismo, entre outros crimes, e passou a maior parte de 2013 na Síria combatendo ao lado de rebeldes islâmicos.

Governos europeus estão cada vez mais preocupados com os cidadãos que estão indo lutar na Síria, pois ao voltar podem trazer para o continente a militância islâmica.

O ataque em Bruxelas foi feito por um homem que abriu fogo com um fuzil Kalashnikov e matou um casal israelense e uma mulher francesa. Um homem belga também baleado morreu dias depois, em 6 de junho.

(Por Lucien Libert e Chine Labbe)

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.