Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump em saída da Casa Branca para Bedminster, em Nova Jersey 29/9/2017 REUTERS/Joshua Roberts

(reuters_tickers)

Por Patricia Zengerle

WASHINGTON (Reuters) - Dois meses depois de assinar uma lei que impõe novas sanções contra Rússia, Irã e Coreia do Norte, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não começou a cumprir a nova legislação, disseram os senadores norte-americanos John McCain e Ben Cardin em carta vista pela Reuters.

Além disso, o governo Trump ainda não forneceu informações relacionadas aos setores russos de defesa e inteligência exigidas pela medida e que devem ser entregues até o próximo domingo, disseram.

Autoridades da Casa Branca não responderam a um pedido de comentário sobre a carta de McCain, presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, e Cardin, principal democrata no Comitê de Relações Exteriores da Casa.

Pouco depois nesta sexta, a Casa Branca divulgou um memorando presidencial dando o primeiro passo em direção à implementação ao designar diferentes agências para iniciar o processo de colocar a lei em vigor.

Trump sancionou a lei a contragosto em 2 de agosto depois que o Congresso a aprovou por esmagadora maioria, apesar das reservas do presidente sobre os efeitos que ela teria sobre o desejo de Trump de melhorar as relações com Moscou.

A Casa Branca se esquivou por semanas, enquanto a lei tramitava no Congresso, sobre se Trump a sancionaria ou se usaria seu poder de veto. Embora os republicanos, colegas de partido de Trump, controlem as duas Casas do Congresso, a medida foi aprovada tanto no Senado quanto na Câmara dos Deputados por margens quase unânimes, suficientes para derrubar um veto presidencial.

A oposição de Trump à lei levantou questões sobre quão entusiasticamente seu governo a colocaria em vigor.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters