Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos EUA, Donald Trump, durante encontro em Washington . 02/02/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por Steve Holland

TAMPA, Estados Unidos (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou veículos de comunição de ignorarem ataques de militantes islâmicos por toda a Europa.

Trump, que fez da derrota do Estado Islâmico um objetivo central de seu governo, não especificou quais ataques não têm sido relatados, quais organizações de mídia os estão ignorando nem ofereceu detalhes para sustentar suas afirmações.

"Por toda a Europa, está acontecendo. Chegou ao ponto em que nem está sendo noticiado", disse ele a um grupo de cerca de 3 mil soldados na Base da Força Aérea de MacDill, na Flórida, na segunda-feira

"E, em muitos casos, a imprensa muito, muito desonesta não quer noticiar. Eles têm suas razões, e vocês entendem isso", acrescentou, sem dizer quais seriam os motivos.

Mais tarde a Casa Branca divulgou uma lista de 78 ataques em todo o mundo ocorridos entre setembro de 2014 e dezembro de 2016.

"As redes de TV não estão devotando a cada um deles o mesmo nível de cobertura que devotavam", disse uma autoridade da Casa Branca. "Não se pode permitir que isso se torne o 'novo normal'".

A acusação foi a mais recente crítica de Trump à imprensa, um dos alvos favoritos de seus ataques e que ele afirma ter subestimado amplamente suas chances durante a campanha presidencial. Ele vem mantendo seus ataques desde que tomou posse em 20 de janeiro.

Em certo momento, Trump citou os atentados nas cidades francesas de Paris e Nice, que receberam intensa cobertura da mídia.

Al Tompkins, do Instituto The Poynter, uma escola de jornalismo da Flórida, rejeitou as críticas do presidente. "Insinuar que os jornalistas tenham alguma razão para não noticiar ataques do Estado Islâmico é simplesmente sem sentido", disse.

(Reportagem adicional de Idrees Ali e Susan Heavey, em Washington)

Reuters