Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump, em Nova York. 11/01/2017 REUTERS/Shannon Stapleton

(reuters_tickers)

Por Steve Holland

WASHINGTON (Reuters) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, abriu mão de qualquer envolvimento em seus império global de negócios e transferiu todos os ativos para um trust, além de ter colocado seus dois filhos no controle das empresas, disse uma advogado de Trump nesta quarta-feira. 

Junto a planos de contratar um conselheiro de ética, Trump está tomando medidas para evitar inevitáveis problemas sobre um potencial conflito de interesses entre seus negócios e o cargo de presidente, embora a advogada tenha insistido que não é exigido que ela faça isso.

O republicano, que tomará posse em 20 de janeiro, tem sofrido pressão para adotar estas medidas antes de entrar na Casa Branca.

Trump opera uma variedade de resorts de golfe e hotéis em todo o mundo. A advogado anunciou que todos os lucros gerados nos hotéis de Trump por governos estrangeiros serão doados para o Tesouro dos EUA.

Trump renunciará a todas as posições que detém em entidades da Organizações Trump, e sua filha, Ivanka, não terá mais envolvimento com autoridade administrativa no grupo.

Ivanka Trump é esposa de Jared Kushner, o qual foi indicado por Trump para um cargo conselheiro sênior na Casa Branca.

As Organizações Trump não entrarão em quaisquer acordos enquanto Trump for presidente, de acordo com o advogado.

Considerando que Trump vendeu todas as suas ações no ano passado, o trust de Trump deve manter apenas ativos líquidos como dinheiro e ativos operacionais, segundo a representante. 

Muitos especialistas de ética pediram que Trump desinvestisse completamente ou colocasse seus ativos num “blind trust”. O advogado disse que Trump não quis nenhuma dessas medidas por não serem uma possibilidade realista.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters