Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump na Casa Branca 31/5/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - Em uma disputa política pelas mais recentes intimações do inquérito do Comitê de Inteligência do Senado dos EUA sobre a Rússia, o presidente norte-americano, Donald Trump, apoiou nesta quinta-feira esforços para investigar ações de autoridades do governo de Barack Obama.

"A grande questão é a 'exposição e vigilância' das pessoas que aconteceu durante o governo de Obama", disse Trump em um tuíte, um dia depois do presidente republicano do comitê intimar a CIA, o FBI e a Agência de Segurança Nacional em meio a reclamações dos democratas, que disseram não ter sido consultados sobre as ações.

Na quarta-feira, o presidente do comitê, Devin Nunes, pediu às agências detalhes de qualquer pedido feito pelos dois principais assessores do governo de Obama e pelo ex-diretor da CIA para "expor" nomes dos assessores de campanha de Trump retirados inadvertidamente de intercepções de comunicações externas ultra-secretas, de acordo com fontes do Congresso.

Outra fonte do Congresso, sob condição de anonimato, disse que os democratas foram "informados e consultados" com antecedência, mas assessores do comitê dizem não ter sido avisados.

Nunes se recusou publicamente a liderar a investigação do painel sobre a interferência russa na eleição presidencial de 2016 após prestar uma visita secreta a autoridades da Casa Branca, mas ainda mantém o poder de emitir intimações. Um assessor graduado do comitê disse na quarta-feira que as intimações não eram relacionadas à investigação sobre a Rússia.

(Reportagem de Susan Heavey)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters