Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Doina Chiacu e Toni Clarke

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos EUA, Donald Trump, classificou neste domingo as reportagens baseadas em fontes não identificadas como falsas e os vazamentos da Casa Branca como "fake news" (notícias falsas), após relatos de que seu genro tentou estabelecer um canal secreto de comunicações com Moscou antes que Trump assumisse a presidência.

Trump retornou à Casa Branca depois de uma viagem de nove dias ao Oriente Médio e à Europa, que ele encerrou no sábado para encarar mais perguntas sobre as supostas comunicações entre Jared Kushner e o embaixador da Rússia em Washington.

"Minha opinião é que muitos dos vazamentos que saem da Casa Branca são mentiras inventadas pela imprensa do #FakeNews", escreveu Trump em uma série de posts no Twitter neste domingo.

Pouco depois dos tweets, o secretário de Segurança Interna de Trump, John Kelly, participou de uma série de programas de televisão no domingo para classificar os tais canais secretos de comunicação, especialmente com a Rússia, como "uma coisa boa".

A Casa Branca enfrenta dúvidas sobre possíveis laços entre a Rússia e a campanha presidencial de Trump, que também são objeto de investigações criminais e do Congresso. Funcionários do governo Trump estavam se preparando para estabelecer uma "sala de guerra" para abordar uma questão que começou a dominar sua precoce presidência.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters