Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jogadores do Denver Broncos ajoelham durante execução do hino nacional dos EUA antes de partida contra o Bufallo Bills 24/09/2017 Mark Konezny-USA TODAY Sports

(reuters_tickers)

Por Scott Malone

BOSTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manteve sua batalha verbal com a Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) sobre jogadores que ajoelham durante o hino nacional, dizendo nesta segunda-feira que os atos de protesto não tinham a ver com racismo.

Dezenas de jogadores, técnicos e até mesmo donos de equipes da NFL se juntaram durante partidas no domingo ao protesto silencioso contra o pedido de Trump para que donos demitam jogadores que não ficarem de pé durante o hino nacional norte-americano.

“A questão de se ajoelhar não tem nada a ver com raça. É sobre respeito ao nosso país, bandeira e hino nacional. A NFL deve respeitar isto!”, disse Trump em publicação no Twitter.

Trump começou sua batalha com a liga esportiva profissional de maior arrecadação dos Estados Unidos em um comício na sexta-feira, quando disse que qualquer jogador que aderir ao protesto é um “filho da puta” que deve ser “demitido”.

Ele foi criticado por diversas áreas do mundo esportivo.

“A infantilidade, a gratuita propaganda do medo e a atormentação de raça se tornou tão consistente que nós quase esperamos isto, o nível foi abaixado até o momento”, disse o técnico do time de basquete San Antonio Spurs, Gregg Popovich, a repórteres. “Eu não fazia ideia que morava em um país onde o presidente iria falar algo assim”.

O chefe do Comitê Olímpico dos Estados Unidos falou a favor dos manifestantes em jogos da NFL.

“Os atletas que vocês veem protestando estão protestando porque amam seu país”, disse o chefe-executivo do comitê, Scott Blackmun, a repórteres em Park City, Utah. “Nós apoiamos totalmente que nossos atletas e todos se expressem.”

As regras do Comitê Olímpico Internacional proíbem “demonstrações de propaganda política, religiosa ou racial” em locais olímpicos.

A controvérsia destacou uma profunda divisão política que a eleição de Trump expôs na sociedade norte-americana.

O ex-jogador de futebol americano do San Francisco 49ers Colin Kaepernick começou a se ajoelhar durante o hino nacional em protesto à brutalidade policial e desigualdades raciais no ano passado. Nenhuma equipe da NFL contratou Kaepernick para esta temporada.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters