Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump durante reunião em Cingapura 11/6/2018 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, atacou nesta quinta-feira “democratas sujos de Nova York” após a procuradoria-geral do Estado processá-lo, três de seus filhos e sua fundação, dizendo que ele usou a instituição de caridade como seu “talão de cheques particular”.

Trump prometeu que nunca irá entrar em acordo no caso, apresentado pela atual procuradora-geral, Barbara Underwood. O presidente usou o Twitter nesta quinta-feira para culpar pela ação “discípulos” do ex-procurador-geral Eric Schneiderman, que renunciou em maio após quatro mulheres acusarem o ex-procurador de abusos físicos.

    "Os democratas sujos de Nova York e o agora desonrado (e fugido da cidade) procurador-geral Eric Schneiderman estão fazendo tudo que podem para me processar em uma fundação que recebeu 18.800.000 dólares e deu para caridade mais dinheiro que recebeu, 19.200.000. Eu não vou aceitar um acordo", escreveu Trump no Twitter.

    Underwood afirmou no processo que a Fundação Trump participou de “extensa coordenação política ilegal” com a campanha presidencial de Trump em 2016. O caso, apresentado na Suprema Corte em Manhattan, segue uma investigação de 21 meses que começou sob comando de Schneiderman.

    Ela disse que a fundação participou de “auto-negociação repetida e voluntariosa” para beneficiar os interesses pessoais, comerciais e políticos de Trump, incluindo a compra de um retrato de Trump por 10 mil dólares em um leilão beneficente, usando-o para decorar um campo de golfe de Trump.

“A Fundação Trump era pouco mais do que um talão de cheques para pagamentos do sr. Trump ou seus negócios para não-lucrativos, independentemente de seu propósito de legalidade”, disse Underwood em um comunicado. “Não é assim que fundações privadas devem funcionar.”

Uma autoridade do órgão monitor Common Cause disse que a investigação de Nova York forneceu detalhes de ações que também podem violar uma proibição federal de campanhas canalizarem “doações irregulares” através de organizações sem fins lucrativos.

O processo busca uma restituição de 2,8 milhões de dólares mais multas, um banimento de Trump de 10 anos como diretor de uma organização sem fins lucrativos em Nova York e banimentos de um ano para seus filhos. 

A Fundação Trump classificou o processo como "política no seu pior", dizendo que a instituição de caridade gastou mais do que recebeu em doações.

(Reportagem de Doina Chiacu)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters