Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na Casa Branca, em Washington. 28/06/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Jeff Mason

BRIDGEWATER, Estados Unidos (Reuters) - A ameaça representada pela Coreia do Norte foi um dos principais tópicos de telefonemas entre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e os líderes da China e do Japão, além de questões comerciais, informou a Casa Branca no domingo.

Trump conversou separadamente com o presidente chinês, Xi Jinping, e com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, antes de reuniões agendadas com os dois líderes das duas maiores economias da Ásia na cúpula do G20 na Alemanha no final desta semana.

"Os dois líderes reafirmaram seu comprometimento com uma Península Coreana desnuclearizada", disse a Casa Branca a respeito da conversa que Trump teve com Xi de seu resort em Bridgewater, Nova Jersey, onde passou o fim de semana.

"O presidente Trump reiterou sua determinação em buscar relações comerciais mais equilibradas com os parceiros comerciais da América", acrescentou.

Trump tem se mostrado cada vez mais frustrado com a incapacidade da China para conter a Coreia do Norte, e a referência ao comércio foi um indício de que o empresário de Nova York pode estar disposto a retomar sua retórica severa a respeito dos negócios com Pequim depois de se conter na esperança de que os chineses iriam pressionar mais Pyongyang.

Trump e Xi debateram a "paz e a estabilidade na península coreana", disse o Ministério das Relações Exteriores chinês, sem entrar em detalhes.

O porta-voz do ministério, Geng Shuang, disse mais tarde em um boletim diário que os EUA foram "muito claros" a respeito da posição da China no tocante à Coreia do Norte, mas não detalhou o que Xi disse a Trump sobre o regime vizinho.

"Fatores negativos" vêm afetando as relações sino-norte-americanas, e a China já expressou sua posição aos EUA, disse Xi a Trump, de acordo com a transcrição de uma conversa telefônica entre os dois divulgada pelo ministério.

Reuters