Reuters internacional

Presidente dos EUA, Donald Trump 16/06/2017 REUTERS/Joshua Roberts

(reuters_tickers)

(Reuters) - O presidente norte-americano, Donald Trump, tinha pendências de pelo menos 315,6 milhões de dólares para credores alemães, dos Estados Unidos e outros em meados de 2017, de acordo com um relatório financeiro divulgado Escritório de Ética Governamental dos EUA nesta sexta-feira.

Trump informou uma receita de pelo menos 594 milhões de dólares em 2016 e início de 2017 e ativos no valor de pelo menos 1,4 bilhão de dólares.

O documento de 98 páginas publicado no site do organismo mostrou passivos de Trump de pelo menos 130 milhões de dólares para o Deutsche Bank Trust Company Americas, unidade do alemão Deutsche Bank.

Trump revelou uma pendência com o Deutsche que ultrapassou 50 milhões de dólares para o Old Post Office, propriedade histórica no centro de Washington, que recentemente foi reformada como hotel localizado perto da Casa Branca.

Trump apresentou passivos de pelo menos 110 milhões de dólares para o Ladder Capital, um credor de imóveis comerciais com escritórios em Nova York, Los Angeles e Boca Raton, Flórida.

O maior componente da receita da Trump foi de 115,9 milhões de dólares, listados como receitas relacionadas ao resort de golfe do Trump National Doral em Miami. Seus ativos provavelmente ultrapassaram 1,4 bilhão de dólares porque o formulário de divulgação forneceu faixas de valores.

O documento mostrou que Trump ocupava cargos em 565 corporações ou outras entidades antes de se tornar presidente dos EUA. Seu mandato na maioria desses cargos foi encerrado em 19 de janeiro, no dia anterior à sua posse na Casa Branca.

A maioria das entidades envolvidas tinha sede nos Estados Unidos, mas também na Escócia, Irlanda, Canadá, Brasil, Bermudas e outros.

Trump tem se recusado a revelar suas declarações fiscais, o que daria uma indicação muito mais clara de sua riqueza e interesses comerciais. Mas ele submeteu relatórios federais revelando rendimentos, ativos e passivos seus e de sua família.

(Por Eric Beech, Mohammad Zargham e Andy Sullivan)

Reuters

 Reuters internacional