Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump cumprimenta Macron na cúpula da Otan em Bruxelas 25/5/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

BRUXELAS (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse a Emmanuel Macron nesta quinta-feira que ele era seu favorito para vencer a eleição presidencial da França e que as reportagens segundo as quais apoiava a líder de extrema-direita Marine Le Pen estavam erradas, disse uma autoridade francesa.

"Você era meu candidato", disse Trump ao novo presidente francês quando ambos se encontraram pela primeira vez em Bruxelas, informou o funcionário da Presidência da França.

Trump disse a Macron que, ao contrário dos relatos da mídia durante a disputa, ele não apoiou Le Pen e acompanhou a campanha de Macron com grande atenção, segundo a fonte, acrescentando que os dois líderes conversaram em inglês.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, disse não saber se Trump disse isso a Macron, mas observou que os dois têm uma boa química.

O político de centro Macron derrotou Le Pen, da Frente Nacional, no segundo turno de 7 de maio após uma campanha acirrada na qual as visões pró-europeias do jovem líder se chocaram com a postura antiglobalização, anti-União Europeia e anti-imigração da rival.

Depois que um policial foi morto por um suposto militante islâmico em Paris em abril, Trump disse à agência Associated Press que acreditava que o ataque "provavelmente ajudaria" Le Pen por ela ser a candidata "mais forte nas fronteiras" – mas afirmou que não estava endossando Le Pen explicitamente.

Le Pen disse que estava mais bem posicionada para defender os interesses da França no que chamou de "novo mundo" de Trump e do presidente da Rússia, Vladimir Putin.

(Por Marine Pennetier e Steve Holland)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters