Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos EUA, Donald Trump 01/11/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Jeff Mason

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira que não se lembra muito de um encontro no ano passado com um ex-assessor de campanha que se declarou culpado neste mês em uma investigação federal sobre suposto envolvimento russo na eleição presidencial norte-americana de 2016.

Perguntado sobre um encontro no qual o assessor George Papadopoulos sugeriu marcar um encontro com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, Trump disse a repórteres: “Eu não me lembro muito deste encontro. Foi um encontro muito pouco importante”.

    De acordo com documentos de tribunal preenchidos pelo conselheiro especial Robert Mueller, Papadopoulos disse no encontro de assessores de política externa em março de 2016 “que possuía conexões que poderiam ajudar a marcar um encontro entre o então candidato Trump e o presidente Putin”.

    Uma fotografia publicada na conta de Trump no Instagram mostra Papadopoulos sentado na mesma mesa que Trump, assim como Jeff Sessions, atual secretário de Justiça dos EUA, e diversos outros.

    Papadopoulos se declarou culpado por mentir para agentes do FBI sobre contatos com pessoas que disse ter laços com autoridades seniores russas, nas primeiras acusações criminais alegando ligações entre a campanha de Trump e Moscou. Sua declaração foi tornada pública esta semana.

    Sessions está sob pressão de democratas do Senado para testemunhar novamente sobre contatos russos da campanha de Trump. Em testemunho ao comitê judiciário do Senado, o secretário de Justiça negou conhecimento sobre quaisquer contatos entre a campanha e russos ou intermediários do governo russo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters