Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump 22/08/2017 REUTERS/Joshua Roberts

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que os líderes do Congresso poderiam ter evitado uma "bagunça" legislativa se tivessem acatado seus conselhos sobre elevar o teto da dívida do país, renovando as críticas dos republicanos cujo apoio ele precisa para avançar com sua agenda política.

Trump disse que havia aconselhado o líder da maioria do Senado, Mitch McConnell, e o presidente da Câmara dos Deputados, Paul Ryan, para vincular a aprovação da legislação que aumenta o teto da dívida junto a uma medida sobre questões relacionadas a veteranos de guerra que ele assinou no dia 12 de agosto.

"Solicitei que Mitch e Paul vinculassem a legislação do Teto da Dívida ao projeto dos veteranos (que acabou de ser aprovado) para ter fácil aprovação", disse Trump em uma publicação no Twitter.

"Eles... não fizeram isso e agora nós temos um grande problema com os Democratas...(como de costume) na aprovação do teto da dívida. Poderia ter sido tão fácil --agora está uma bagunça!", acrescentou ele.

O Departamento do Tesouro, que já usa "medidas extraordinárias" para cumprir suas obrigações, disse que o limite para o montante que o governo federal pode emprestar tem que ser elevado até o dia 29 de setembro.

Trump ameaçou na terça-feira paralisar o governo se o Congresso não conseguir obter financiamento para a sua promessa de construir um muro ao longo da fronteira com o México. Sua ameaça, que acrescentou uma nova complicação à luta de meses dos republicanos para alcançar um acordo orçamentário, agitou os mercados e provocou rejeições de alguns republicanos.

(Por David Alexander, Makini Brice, Ayesha Rascoe, Karen Brettell e Megan Davies)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters