Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump chega à Casa Branca após viagem à Indianápolis 27/9/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

Por Doina Chiacu

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou em entrevista exibida nesta quinta-feira que os proprietários de times da Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) têm medo dos próprios jogadores, em sua mais recente crítica aos atletas por se ajoelharem durante a execução do hino nacional dos EUA.

O presidente disse à emissora Fox que é amigo de muitos donos de times da NFL, e que eles estão limitados sobre como lidar com os protestos dos jogadores de futebol americano contra as disparidades raciais no país.

"Eles dizem: 'Estamos em uma situação na qual temos que fazer alguma coisa'. Acho que eles estão com medo dos seus jogadores, se você quer saber a verdade. E acho que isso é lamentável", disse. Trump, do Partido Republicano, não elaborou sobre seu comentário.

A NFL rebateu, afirmando que a declaração do presidente não é verdadeira.

"Houve uma declaração de que nossos proprietários estão com medo dos nossos jogadores e que os proprietários pediram intervenção de um dos nossos líderes políticos para resolver isso. Essas declarações não são precisas", disse o porta-voz da NFL, Joe Lockhart, em uma entrevista coletiva.

Lockhart, que foi porta-voz da Casa Branca durante o governo do ex-presidente Bill Clinton, um democrata, afirmou que os jogadores da NFL são patriotas. "Essa questão foi ofuscada por forças políticas, e um dos impactos é distorcer os pontos de vista da NFL, nossa liga, e, particularmente, dos nossos jogadores", disse.

A maioria dos times da NFL é formada por homens brancos bilionários, enquanto 70 por cento dos jogadores são negros.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters