Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump chega à Casa Branca após viagem à Indianápolis 27/9/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

Por Doina Chiacu

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou em entrevista exibida nesta quinta-feira que os proprietários de times da Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) têm medo dos próprios jogadores, em sua mais recente crítica aos atletas por se ajoelharem durante a execução do hino nacional dos EUA.

O presidente disse à emissora Fox que é amigo de muitos donos de times da NFL, e que eles estão limitados sobre como lidar com os protestos dos jogadores de futebol americano contra as disparidades raciais no país.

"Eles dizem: 'Estamos em uma situação na qual temos que fazer alguma coisa'. Acho que eles estão com medo dos seus jogadores, se você quer saber a verdade. E acho que isso é lamentável", disse. Trump, do Partido Republicano, não elaborou sobre seu comentário.

A NFL rebateu, afirmando que a declaração do presidente não é verdadeira.

"Houve uma declaração de que nossos proprietários estão com medo dos nossos jogadores e que os proprietários pediram intervenção de um dos nossos líderes políticos para resolver isso. Essas declarações não são precisas", disse o porta-voz da NFL, Joe Lockhart, em uma entrevista coletiva.

Lockhart, que foi porta-voz da Casa Branca durante o governo do ex-presidente Bill Clinton, um democrata, afirmou que os jogadores da NFL são patriotas. "Essa questão foi ofuscada por forças políticas, e um dos impactos é distorcer os pontos de vista da NFL, nossa liga, e, particularmente, dos nossos jogadores", disse.

A maioria dos times da NFL é formada por homens brancos bilionários, enquanto 70 por cento dos jogadores são negros.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters