Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump em evento em Dallas, Texas 25/10/ 2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quarta-feira que a Rússia está prejudicando os esforços dos EUA para livrar a Coreia do Norte de armas nucleares, enquanto a China tem sido útil.

Em uma entrevista à rede Fox Business Network, Trump disse que seria mais fácil resolver a crise nuclear com Pyongyang se os EUA tivessem um relacionamento melhor com a Rússia.

"A China está nos ajudando, e talvez a Rússia esteja passando para o outro lado e atrapalhando o que estamos conseguindo", afirmou Trump, a respeito da situação com a Coreia do Norte.

Uma série de testes de armas do regime e uma troca de farpas verbais entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, aumentaram as tensões.

Trump vem pressionando para que Pequim contenha o programa nuclear da Coreia do Norte. A China, única grande aliada de Pyongyang, representa mais de 90 por cento do comércio com o país isolado.

O líder norte-americano disse em um tuíte que conversou com seu colega chinês, Xi Jinping, nesta quinta-feira e que a conversa incluiu a Coreia do Norte.

As relações entre Washington e Moscou estão tensionadas devido às alegações de que a Rússia interferiu na eleição presidencial de 2016, à anexação russa da península ucraniana da Crimeia e ao apoio do Kremlin ao governo da Síria.

"Acho que poderíamos ter um bom relacionamento" com a Rússia, disse Trump. "Acho que a situação norte-coreana seria resolvida mais facilmente."     

Durante a campanha do ano passado Trump disse que esperava melhorar as relações com os russos.

         (Por Eric Beech)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters