Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, e o presidente dos EUA, Donald Trump, concendem entrevista coletiva na Casa Branca. 27/01/2017. REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Steve Holland e Elizabeth Piper

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta sexta-feira que gostaria de ter boas relações com a Rússia e não quis dizer se ele estava pronto para suspender as sanções contra Moscou, sanções que a primeira-ministra britânica, Theresa May, que o visitava, afirmou que precisam continuar.

Falando durante uma entrevista à imprensa depois da sua primeira reunião como presidente com uma liderança estrangeira na Casa Branca, Trump disse que espera ter uma “relação fantástica” com o presidente russo, Vladimir Putin, mas disse que é possível que isso não ocorra.

Qualquer movimento da Casa Branca para suspender sanções contra a Rússia pelas suas ações na Ucrânia causaria provavelmente consternação entre aliados europeus que acreditam que as sanções devem ser suspensas somente se Moscou cumprir as condições do Ocidente em relação à Ucrânia.

Também há preocupações nos EUA, onde muitos no Congresso são veementemente contrários às ações de Putin na Ucrânia e na Síria e também à intromissão, apontada pelas agências de inteligência norte-americanas, da Rússia na campanha eleitoral norte-americana.

May disse aos jornalistas que ela acredita que as sanções contra a Rússia devem permanecer em vigor até Moscou cumprir as obrigações previstas no acordo de Minsk.

Ela também enfatizou que durante a conversa dos dois Trump deu um forte apoio à Otan, uma aliança que o presidente chamara previamente de obsoleta.

Putin e Trump vão provavelmente discutir as sanções quando os dois líderes falarem pelo telefone no sábado, segundo um assessor importante da Casa Branca.

Reuters