Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente russo, Vladimir Putin, e presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante encontro bilateral em Hamburgo, Alemanha 07/07/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

MOSCOU (Reuters) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, podem se encontrar na próxima semana durante cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec) no Vietnã, afirmou o Kremlin nesta sexta-feira, acrescentando que conversas estão em andamento para organizar a reunião.

Putin e Trump se encontraram na cúpula do G20 em Hamburgo em julho, quando conversaram sobre acusações de uma suposta interferência russa na última eleição presidencial dos Estados Unidos, mas concordaram em se concentrar em melhorar seus laços em vez de discutir sobre o passado.

Entretanto, as relações entre Moscou e Washington têm piorado desde então.

Em agosto, Trump impôs relutantemente novas sanções contra a Rússia, em uma medida que Moscou disse que colocaria um fim nas esperanças de melhores relações bilaterais. Putin, insatisfeito com as sanções, ordenou que Washington diminuísse em mais da metade sua equipe consular e da embaixada na Rússia.

Entretanto, perguntado se Putin e Trump podem se encontrar em uma cúpula da Apec que acontecerá na próxima semana no Vietnã, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que Moscou não descarta a possibilidade do encontro.

"(A reunião) de fato está em discussão", disse Peskov a repórteres.

"É difícil superestimar a importância para todos os assuntos internacionais de qualquer contato entre os presidentes da Rússia e dos Estados Unidos", acrescentou Peskov.

A cúpula da Apec acontecerá na cidade vietnamita de Danang entre os dias 8 e 10 de novembro.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters