Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fala sobre Coreia do Norte em coletiva de imprensa em Bedminster, EUA 8/8/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por Doina Chiacu e Christine Kim

WASHINGTON/SEUL (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deu sequência a seu alerta incendiário para que a Coreia do Norte não ameace seu país alardeando a força do arsenal nuclear dos EUA, embora tenha expressado a esperança de que não precisará usá-lo.

As mensagens de Twitter de Trump sobre o arsenal nuclear vieram depois de Pyongyang dizer que está cogitando planos de um ataque de mísseis contra Guam, território norte-americano no Oceano Pacífico. Isto, por sua vez, aconteceu depois de Trump afirmar, na terça-feira, que qualquer ameaça norte-coreana aos EUA seria recebida com "fogo e fúria".

"Minha primeira ordem como presidente foi renovar e modernizar nosso arsenal nuclear. Agora ele é muito mais forte e mais potente do que nunca antes", tuitou.

"Espero que nunca tenhamos que usar este poder, mas jamais chegará um tempo em que não seremos a nação mais poderosa do mundo!"

O aumento acentuado das tensões entre um país que tem um dos maiores arsenais nucleares do mundo e um aspirante a potência nuclear abalou os mercados financeiros e levou o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, a tentar minimizar a retórica.

Embora Trump tenha afirmado que seu poderio nuclear é mais poderoso do que nunca, autoridades dos EUA dizem que na verdade são necessárias décadas para se modernizar armas nucleares, uma medida já em curso durante o governo do ex-presidente Barack Obama, e que existem tratados que regulamentam a expansão nuclear. O governo Trump ainda está realizando uma análise sobre sua postura nuclear.

Pouco depois dos comentários de Trump a respeito do arsenal, Tillerson pousou em Guam para uma visita previamente agendada depois de dizer aos repórteres que não acredita haver uma ameaça iminente da Coreia do Norte e que "os americanos deveriam dormir bem à noite".

Ele disse que, com seu alerta de "fogo e fúria", o presidente dos EUA estava tentando usar o tipo de linguagem que ecoa no líder norte-coreano, Kim Jong Un. A Coreia do Norte ameaça destruir os EUA com frequência.

Mais cedo nesta quarta-feira, o regime disse estar "examinando cuidadosamente" um plano para atacar Guam, lar de cerca de 163 mil pessoas e de uma base militar norte-americana que inclui um esquadrão de submarinos, uma base aérea e um grupo da Guarda Costeira.

O plano será posto em prática a qualquer momento assim que Kim Jong Un tomar uma decisão, disse um porta-voz do Exército em um comunicado divulgado pela agência de notícias estatal KCNA.

Reuters