Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Nova York 15/08/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Ben Blanchard e Tim Kelly

PEQUIM/TÓQUIO (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou o líder da Coreia do Norte, Kim Jong Un, nesta quarta-feira pela decisão "sábia" de não lançar mísseis perto do território norte-americano de Guam e por amenizar a escalada da tensão entre os dois países.

A reclusa Coreia do Norte não faz segredo de seus planos de desenvolver um míssil capaz de comportar uma ogiva nuclear e de alcançar os EUA para se contrapor ao que vê como uma ameaça constante de invasão norte-americana, e a tensão vem crescendo há meses.

Na semana passada Trump avisou que a Coreia do Norte enfrentaria "fogo e fúria" se ameaçasse os EUA, levando Pyongyang a dizer que estava cogitando fazer testes de disparo de mísseis na direção de Guam, uma ilha do Oceano Pacífico.

Mas na terça-feira a mídia norte-coreana noticiou que Kim adiou a decisão enquanto aguarda para ver o que Washington fará a seguir.

"Kim Jong Un, da Coreia do Norte, tomou uma decisão muito sábia e bem ponderada", escreveu Trump no Twitter.

"A alternativa teria sido tanto catastrófica quanto inaceitável!"

O regime vem ignorando há tempos os alertas do Ocidente e de sua única grande aliada, a China, para interromper seus testes nucleares e de mísseis, que realiza desafiando resoluções do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

Os EUA esperam que a China pressione os norte-coreanos para que contenham seus programas de armas, algo que o general norte-americano mais graduado reiterou durante conversas em Pequim nesta semana.

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, Joseph Dunford, disse a Fang Fenghui, seu equivalente no Exército Popular de Libertação, que os programas de armas da Coreia do Norte ameaçam toda a comunidade internacional, inclusive a China.

"Ele enfatizou que os EUA e a China têm o mesmo objetivo, uma península coreana desnuclearizada através de meios pacíficos... as ações norte-coreanas ameaçam a segurança econômica e militar da China", disse um porta-voz militar dos EUA em um comunicado.

"No interesse da estabilidade regional, ele disse que os EUA veem com urgência crescente a necessidade de a China aumentar a pressão sobre o regime norte-coreano", disse o porta-voz.

"Caso as opções diplomáticas e econômicas preferidas fracassem, o general Dunford reiterou a determinação da América de usar toda a gama de recursos militares para defender nossos aliados na República da Coreia (Coreia do Sul) e no Japão, além do território dos EUA."

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters