Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump atende mulheres no painel sobre saúde na Casa Branca em Washington, EUA 22/03/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Roberta Rampton e David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deve enfrentar seu primeiro grande obstáculo legislativo nesta quinta-feira: uma votação "tudo ou nada" na Câmara dos Deputados sobre um plano que reverteria o sistema de saúde implantado pelo antecessor Barack Obama.

Alguns parlamentares veem Trump como o negociador que irá bater o martelo no acordo da nova lei de saúde na votação que os republicanos esperam realizar nesta quinta-feira, mas no final da noite de quarta-feira surgiram sinais de que o prazo pode ser prorrogado.

Não está claro se Trump convenceu correligionários suficientes a apoiarem o projeto de lei, e essa incerteza abalou os mercados financeiros. Na terça-feira as ações registraram sua maior queda diária desde a eleição presidencial de 8 de novembro devido aos temores relacionados ao drama da reforma da saúde.

Um fracasso na aprovação da legislação, chamada de Lei Americana de Acesso à Saúde, lançaria dúvidas sobre a capacidade do presidente de cumprir outros pontos de sua agenda que precisam da cooperação do Congresso de maioria republicana, entre eles planos ambiciosos de reforma tributária e de investimento em infraestrutura.

Inicialmente a votação no plenário da Câmara deveria começar perto das 19h (horário local) desta quinta-feira, mas próximo da meia-noite de quarta-feira os parlamentares ainda não haviam decidido a ocasião da votação, já que republicanos conservadores e moderados divergem sobre haver ou não necessidade de mudanças adicionais na proposta.

O presidente do Comitê de Regras da Câmara, Pete Sessions, disse que a votação pode acontecer ainda nesta quinta-feira e o mais tardar na segunda-feira.

Os deputados democratas estão unidos contra o projeto de lei, que pretende revogar e substituir a Lei de Saúde Acessível de 2010 de Obama.

Trump e o presidente da Câmara, Paul Ryan, precisam de muito apoio de seus partidários para aprovar o projeto de lei, e só podem se dar ao luxo de perder 21 votos republicanos.

Mas republicanos conservadores vêm se queixando por crer que a substituição é muito semelhante ao chamado Obamacare, e alguns de seus colegas moderados temem que ela afete a cobertura de saúde de milhões de eleitores.

Ainda que a legislação seja aprovada, irá enfrentar um segundo obstáculo no Senado, onde vários republicanos se pronunciaram contrários à versão da Casa Branca.

(Reportagem adicional de Susan Cornwell e Jeff Mason)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters