Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente eleito dos EUA, Donald Trump. 09/01/2017 REUTERS/Mike Segar

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quarta-feira que escolherá o ocupante da vaga aberta na Suprema Corte do país no dia 2 de fevereiro, buscando restaurar a maioria conservadora no tribunal.

Trump anunciou a data no Twitter um dia depois de se reunir com alguns dos principais senadores dos EUA e prometer revelar seu indicado à vaga aberta após a morte do juiz conservador Antonin Scalia quase um ano atrás.

Três juízes de cortes de apelação estão entre os cogitados por Trump, que assumiu na sexta-feira a presidência e havia dito que decidiria um nome na semana que vem.

Os indicados a juízes da Suprema Corte precisam ser confirmados pelo Senado para ocupar a posição vitalícia. Os republicanos controlam o Senado com uma maioria de 52 a 48, mas os democratas podem tentar bloquear a indicação de Trump usando obstáculos processuais.

Na terça-feira, o líder democrata no Senado, Chuck Schumer, afirmou ter dito a Trump em uma reunião que seus colegas de partido irão lutar contra qualquer indicado que considerarem fora do padrão.

Trump está em condição de nomear o substituto de Scalia porque, no ano passado, o Senado de maioria republicana se recusou a sequer analisar o escolhido pelo então presidente democrata Barack Obama, o juiz de apelações Merrick Garland.

Entre os atuais favoritos há três juristas conservadores indicados ao tribunal pelo ex-presidente republicano George W. Bush: Neil Gorsuch, juiz do 10º circuito de apelações de Denver, Thomas Hardiman, que atua no 3º circuito de apelações da Filadélfia, e William Pryor, juiz do 11º circuito de apelações de Atlanta.

(Por Lawrence Hurley, Susan Heavey e Doina Chiacu)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters