Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado de seu filho mais velho Donald Trump Jr. 11/11/2015 REUTERS/Brian Snyder/Files

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O filho mais velho do presidente Donald Trump, Donald Trump Jr., concordou em testemunhar em privado ao Comitê Judiciário do Senado, à medida que o comitê analisa acusações de interferência russa na eleição presidencial norte-americana de 2016, relatou a CNN nesta terça-feira, semanas após Trump Jr. ser convidado a testemunhar publicamente em uma audiência em julho.

Porta-vozes dos líderes do comitê não responderam imediatamente a pedidos de comentários sobre a reportagem.

A CNN também relatou que o conselheiro especial Robert Mueller havia emitido intimações para Melissa Laurenza, uma advogada do escritório de advocacia Akin Gump, que representou anteriormente o ex-gerente de campanha de Trump, Paul Manafort. Jason Maloni, um porta-voz de Manafort, também foi intimado.

A CNN informou que Maloni e um porta-voz de Mueller se negaram a comentar e que Laurenza encaminhou perguntas para um porta-voz que não comentou imediatamente.

A Rússia colocou uma grande nuvem sobre os seis primeiros meses de Trump na Presidência. Agências da inteligência dos Estados Unidos concluíram que a Rússia trabalhou para inclinar a eleição presidencial do ano passado a favor de Trump.

Mueller, que foi nomeado conselheiro especial em maio, está liderando a investigação, que também analisa possível conluio entre a campanha de Trump e a Rússia.

Diversos comitês do Congresso também estão analisando a questão.

Moscou nega qualquer envolvimento. Trump nega qualquer conluio de sua campanha, enquanto denuncia frequentemente as investigações como caça às bruxas política.

(Reportagem de Patricia Zengerle)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters