Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiou nesta terça-feira dois times da Liga Nacional de Futebol Americano (NFL) que evitaram polêmica ao ficar de pé durante o hino nacional norte-americano antes de um jogo na noite de segunda-feira, embora jogadores tenham protestado de outras maneiras.

Durante a partida em Phoenix, jogadores do Dallas Cowboys cruzaram os braços e se ajoelharam no campo, e então levantaram para a reprodução do hino dos Estados Unidos. Jogadores do Arizona Cardinals também cruzaram os braços, mas não se ajoelharam.

"Entretanto, embora o Dallas tenha se ajoelhado como um time, todos eles levantaram para o hino nacional. Grande progresso sendo feito -- nós todos amamos nosso país!", escreveu Trump no Twitter, continuando sua guerra de palavras com a multibilionária NFL.

"A audiência para o futebol da NFL está muito baixa, exceto antes do início do jogo, quando as pessoas assistem para ver se o nosso país será ou não desrespeitado", acrescentou.

Esse foi a mais recente declaração de Trump depois que o presidente inflamou uma briga com os jogadores da maior liga profissional de esportes dos Estados Unidos na última semana.

Na sexta-feira, Trump disse em um evento político que qualquer jogador manifestante é um "filho da puta" que deveria ser demitido, e pediu por um boicote a jogos da NFL, desencadeando protestos de dezenas de jogadores, técnicos e alguns donos de times antes de jogos no domingo.

Jogadores da NFL começaram a se ajoelhar durante o hino no ano passado, quando o então quarterback do San Francisco 49ers Colin Kaepernick se recusou a ficar de pé em protesto pelas mortes de negros por policiais brancos nos EUA.

(Reportagem de Susan Heavey)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters