Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em evento na Casa Branca. 10/04/2017 REUTERS/Joshua Roberts

(reuters_tickers)

Por Ayesha Rascoe

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que propôs cortes em diversas agências do governo, pediu aos chefes de departamentos que elaborem planos para operarem de maneira mais eficiente.

O diretor de orçamento de Trump, Mick Mulvaney, disse a repórteres na terça-feira que irá instruir as agências a projetarem como irão cumprir o orçamento do presidente, que cortou gastos em ajuda externa e muitos programas domésticos.

O congelamento nas contratações federais imposto pouco depois de Trump tomar posse, em janeiro, será suspenso nesta quarta-feira, mas as agências serão instruídas a ter em mente o objetivo do presidente de reduzir o funcionalismo federal, disse Mulvaney à imprensa.

Mulvaney reconheceu que o orçamento do presidente terá que ser aprovado pelo Congresso de maioria republicana, onde parlamentares dos dois partidos rejeitaram algumas das reduções mais drásticas.

"Uma das razões de isto ser tão difícil é que você não pode usar uma varinha de condão no Salão Oval e fazer estas coisas", disse Mulvaney. "Haverá certas coisas para as quais iremos precisar de autoridade legislativa".

No orçamento enxuto publicado no mês passado, a Casa Branca não deu muitos detalhes específicos sobre como os cortes orçamentários serão obtidos.

Mulvaney irá pedir que os departamentos preencham algumas destas lacunas. Planos preliminares devem ser apresentados pelos departamentos em junho, e as versões finais, em setembro.

Nem todo departamento irá sofrer cortes. Mulvaney enfatizou que algumas agências, como o Departamento de Defesa e o de Assuntos dos Veteranos, poderão reforçar sua mão de obra.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters