Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Agente do serviço secreto observa partida do presidente dos EUA, Donald Trump, após passar o fim de semana no resort Mar-a-Lago Club, em Palm Beach, na Flórida. 05/03/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pretende receber o presidente chinês, Xi Jinping, no mês que vem, para uma reunião de dois dias em seu resort Mar-a-Lago, na Flórida, segundo o site norte-americano Axios, citando autoridades a par dos planos.

A data provisória do encontro é 6 e 7 de abril, relatou o site de notícias nesta segunda-feira.

A Reuters não verificou a reportagem do Axios e não garante sua exatidão. Não foi possível fazer contato com representantes da Casa Branca e de Xi de imediato para obter comentários.

A reunião planejada aconteceria na sequência de uma série de outros encontros e conversas bilaterais visando reafirmar os laços, depois de meses de retórica contundente de Trump sobre a China.

No mês passado, o conselheiro de Estado da China, Yang Jiechi, visitou Washington para debater as relações econômicas e os interesses de segurança das duas nações.

Yang, superior hierárquico do ministro das Relações Exteriores chinês, se encontrou separadamente com Trump e também com o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson.

Durante sua campanha presidencial, Trump acusou a China de políticas comerciais injustas e de fazer pouco para conter sua vizinha Coreia do Norte, além de criticar a construção de ilhas artificiais no estratégico Mar do Sul da China, reivindicado por vários países.

Depois que tomou posse, em 20 de janeiro, Trump escreveu uma carta a Xi procurando "laços construtivos" e mais tarde conversou com ele por telefone. Em dezembro ele revoltou Pequim por ter aceito uma ligação da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, e dito mais tarde que os EUA não têm que se ater à chamada política de "uma China" – mas mais tarde concordou em mantê-la ao conversar com Xi por telefone.

(Por Susan Heavey)

Reuters