Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Doina Chiacu

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, questionou vários relatos segundo os quais seu indicado à Suprema Corte expressou consternação com seus ataques a juízes, dizendo sem provas que os comentários do juiz Neil Gorsuch foram deturpados.

O presidente republicano explicitou publicamente sua frustração com uma liminar da semana passada que suspendeu temporariamente suas restrições de viagem a sete países de maioria muçulmana, criticando o juiz que a emitiu, o processo de apelação e o Judiciário como um todo.

Os comentários de Gorsuch descrevendo os ataques de Trump ao Judiciário como "desmoralizantes" e "desoladores" foram revelados na quarta-feira pelo senador democrata Richard Blumenthal, que exortou Gorsuch a ir a público.

Ron Bonjean, estrategista republicano contratado pela Casa Branca para ajudar a conduzir a indicação de Gorsuch no Senado, disse no mesmo dia que o juiz fez as observações a Blumenthal.

A ex-senadora republicana Kelly Ayotte, que tem acompanhado Gorsuch em reuniões com senadores no Capitólio nas quais ele busca apoio à sua indicação, disse nesta quinta-feira que o juiz fez colocações semelhantes em suas conversas com senadores.

Em um ataque pessoal a Blumenthal, Trump questionou o relato em uma postagem no Twitter publicada no início desta quinta-feira.

"O senador Richard Blumenthal, que nunca lutou no Vietnã sendo que passou anos dizendo que lutou (grande mentira), agora deturpa o que o juiz Gorsuch lhe disse?", escreveu.

Em uma aparição na rede CNN pouco depois do tuíte de Trump, Blumenthal disse ser importante para Gorsuch tornar públicos seus comentários pessoais e que irá pressioná-lo para que o faça durante a audiência de confirmação de sua indicação.

"Estamos carenando, literalmente, rumo a uma crise constitucional", afirmou Blumenthal, membro do Comitê Judiciário que realiza a audiência. "Ele foi indicado por um presidente que vem atacando o Judiciário americano repetida e incansavelmente".

"Ele tem que mostrar ao povo americano que será mais do que um fiador para Donald Trump."

Blumenthal declarou à rede MSNBC que Gorsuch lhe disse para se sentir livre para levar sua discussão a público, mas que acha que o juiz deveria ir mais longe.

Depois que o juiz James Robart suspendeu provisoriamente o decreto presidencial de 27 de janeiro, Trump o criticou no Twitter, referindo-se a ele como um "por assim dizer juiz" cuja opinião "ridícula" "essencialmente retira a aplicação da lei de nosso país". Desde então ele vem mantendo suas críticas ao Judiciário.

O governo Trump apelou do veredicto de Robart, e um tribunal de apelações deve decidir a questão nos próximos dias.

"Acho que o presidente Trump irá prejudicar tanto as chances do juiz Gorsuch de ser confirmado quanto sua situação como presidente se continuar a minar a independência do Judiciário", opinou o senador democrata Chris Coons na CNN nesta quinta-feira.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters