Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente norte-americano Donald Trump durante reunião na Casa Branca, em Washington, D.C. 28/06/2017 REUTERS/Yuri Gripas

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ofendeu uma âncora de telejornal nesta quinta-feira, chamando-a de "louca" e sugerindo que ela estaria com um sangramento em consequência de uma cirurgia plástica no rosto, em ataque pelo Twitter que gerou duras críticas a Trump, inclusive de outros republicanos.

Trump, que critica com frequência a mídia norte-americana pelo que afirma ser "notícias falsas" e que nesta semana já havia atacado CNN, New York Times e Washington Post, desferiu seus golpes contra os apresentadores do programa "Morning Joe", da MSNBC, Joe Scarborough e Mika Brzezinski.

O presidente chamou Mika, jornalista e filha do ex-assessor de segurança nacional da Casa Branca Zbigniew Brzezinski, de "baixo Q.I. Mika Louca", e disse que ela estava "sangrando bastante por uma cirurgia facial" quando visitou uma de suas propriedades no período do Ano Novo.

Trump referiu-se ao ex-parlamentar republicano Scarborough como "Psicótico Joe".

O presidente norte-americano é conhecido pela presença constante no Twitter, que inclui ataques a críticos e a adversários, mas seus tuítes nesta quinta-feira provocaram reação particularmente forte.

"Este é um dia triste para os Estados Unidos, quando o presidente gasta seu tempo ofendendo, mentindo e vomitando ataques pequenos a pessoas em vez de fazer o seu trabalho", disse a assessoria de comunicação da MSNBC no Twitter.

O programa "Morning Joe" transmitiu entrevistas ao vivo por telefone com Trump durante a campanha presidencial de 2016, mas seus âncoras têm se tornado cada vez mais críticos desde que ele tomou posse em janeiro. No programa desta manhã, Mika criticou o governo Trump e disse que os funcionários não deveriam agir "lobotomizados" por terem tanto medo do presidente.

Parlamentares republicanos e outros criticaram a postura de Trump. "(Os tuítes) representam o que há de errado na política norte-americana, e não a grandeza dos EUA", disse o senador republicano Lindsey Graham, enquanto outro senador republicano, Ben Sasse, descreveu as declarações de Trump como "ausentes da dignidade de seu gabinete".

A Casa Branca, no entanto, defendeu o presidente e afirmou que Trump não foi longe demais nos tuítes.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters