Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump fala a repórteres na Casa Branca 31/5/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por Valerie Volcovici e Jeff Mason

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quarta-feira estar se aproximando de um anúncio sobre deixar ou não um acordo global de combate a mudanças climáticas e estar ouvindo pessoas de ambos os lados, enquanto uma fonte próxima à questão afirmou que Trump estava se preparando para retirar o país do pacto.

Uma saída dos EUA pode aprofundar um dilema com aliados norte-americanos, e os EUA se juntariam à Síria e à Nicarágua como os únicos não participantes do acordo de 195 países feito em 2015 em Paris.

Respondendo a perguntas de repórteres no Salão Oval da Casa Branca, Trump se negou a dizer se já tem uma decisão, dizendo: “Vocês descobrirão muito em breve”.

“Estou ouvindo muitas pessoas, de ambos os lados”, disse Trump, que anteriormente chamou o aquecimento global de farsa com objetivo de enfraquecer a indústria dos EUA. A fonte, falando em condição de anonimato, afirmou que Trump estava elaborando os termos da retirada com o administrador da Agência de Proteção Ambiental dos EUA, Scott Pruitt, um aliado da indústria do petróleo e cético sobre mudanças climáticas.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, se negou a dizer durante entrevista se o presidente republicano poderia optar por uma ação sem ser retirada completa.

O acordo, firmado na capital francesa em 2015, almeja limitar o aquecimento planetário em parte cortando o dióxido de carbono e outras emissões resultantes da queima de combustíveis fósseis. Segundo o pacto, os EUA se comprometiam a reduzir suas emissões em 26 a 28 por cento dos níveis de 2005 até 2025.

Nos últimos dias, chefes-executivos de diversas companhias fizeram apelos para Trump.

Os chefes de ExxonMobil Corp, Apple Inc, Dow Chemical Co, Unilever NV e Tesla Inc estavam entre os que pediram para Trump continuar no acordo, com Elon Musk, da Tesla, ameaçando deixar os conselhos de consulta da Casa Branca caso o presidente retire os EUA do pacto.

Robert Murray, CEO da Murray Energy Corp, uma companhia de carvão sediada em Ohio e grande doador da campanha de Trump, pediu para Trump retirar o país do acordo.

Trump havia dito que o acordo iria custar trilhões de dólares à economia dos EUA sem benefícios tangíveis. Para o presidente republicano, uma retirada refletiria sua abordagem política de “América primeiro”, livre de obrigações internacionais.

Trump se recusou a endossar o acordo climático em cúpula do G7, grupo dos sete países mais ricos, na Itália no sábado, dizendo precisar de mais tempo para decidir.

Os EUA são o segundo maior emissor de dióxido de carbono do mundo, só atrás da China.

Os apoiadores do acordo climático temem que a saída dos EUA induza outras nações a afrouxar seus compromissos ou também se retirarem, enfraquecendo um acordo que os cientistas afirmam ser crucial para evitar os impactos mais graves da mudança climática.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters