Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após coletiva de imprensa conjunta com presidente da Polônia, Andrzej Duda, em Varsóvia. 06/07/2017 REUTERS/Carlos Barria

(reuters_tickers)

Por Marcin Goclowski e Roberta Rampton

VARSÓVIA (Reuters) - O presidente norte-americano, Donald Trump, pediu mais uma vez nesta quinta-feira que aliados da Otan na Europa gastem mais com a defesa, durante uma visita à Polônia que havia sido anunciada como uma oportunidade para que Trump remendasse os laços após uma tensa cúpula dos aliados em maio.

Trump também disse que Washington está pensando sobre "coisas severas" como resposta para o teste de lançamento de um míssil balístico intercontinental com o potencial de atingir o Alasca pela Coreia do Norte nesta semana.

Trump disse em uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente polonês, Andrzej Duda, nesta quinta-feira, que já "passou do tempo" para que todos os países na aliança "andem" com suas obrigações financeiras.

A Casa Branca havia dito que Trump usaria a escala em Varsóvia para demonstrar seu compromisso com a Organização do Tratado do Atlântico do Norte (Otan), que chamou uma vez de "obsoleta", reclamando dos repetidos fracassos dos aliados em gastar os recomendados 2 por cento de seus produtos internos brutos com defesa.

Trump irritou os aliados em maio, e não menos aqueles do Oriente Médio preocupados com a postura militar mais assertiva da Rússia, ao não apoiar publicamente o princípio de defesa coletiva garantido no tratado da Otan.

Embora ele não tenha mencionado diretamente o princípio em Varsóvia, ele disse que os Estados Unidos estão trabalhando com a Polônia para enfrentar o "comportamento desestabilizador" da Rússia. Por sua parte, Duda disse acreditar que Trump leva a sério a segurança da Polônia.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters