Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Mulher lamenta ao lado de sua casa destruída pelo tufão Rammasun, na cidade costeira de Batangas, ao sul de Manila, nas Filipinas. 17/06/2014. REUTERS/Erik De Castro

(reuters_tickers)

MANILA (Reuters) - As Filipinas se empenhavam nesta quinta-feira em remover destroços, restabelecer a energia elétrica e reconstruir casas danificadas depois que um tufão varreu o país, causando a morte de 38 pessoas e o desaparecimento de outras oito, de acordo com autoridades da defesa civil.

O tufão Rammasun, a maior tempestade a atingir o país este ano, seguia para noroeste, na direção da China, depois de cruzar a principal ilha filipina, Luzón, paralisar a capital e derrubar árvores e postes de eletricidade, o que provocou grandes blecautes no país.

A tempestade destruiu cerca de 7.000 casas e danificou outras 19.000, de acordo com o diretor-executivo da Agência Nacional de Desastres, Alexander Pama. Mais de 530.000 pessoas buscaram refúgios em abrigos públicos, segundo dados oficiais.

Pama estimou os danos às lavouras, principalmente arroz e milho na região de Bicol, sudeste de Manila --a primeira a ser atingida pelo tufão-- em aproximadamente 668 milhões de pesos (cerca de 15 milhões de dólares).

A maioria das escolas permanecia fechada nesta quinta-feira na capital e no sul de Luzón, região que tem cerca de 17 milhões de habitantes e é a parte mais densamente povoada do país.

(Reportagem de Rosemarie Francisco)

Reuters