Por Martin Petty e Enrico Dela Cruz

MANILA (Reuters) - Um forte tufão passou pela ponta norte das Filipinas neste sábado, levando ventos de mais de 200 km/h e chuvas torrenciais que deixaram ao menos três mortos, destruindo casas e provocando pelo menos 42 deslizamentos de terra. 

O tufão Mangkhut chegou às Filipinas como um super tufão nas primeiras horas, provocando ventos ferozes e chuvas pesadas por toda a ilha de Luzon, que tem aproximadamente metade dos 105 milhões de habitantes do país. 

Conhecido localmente como Ompong, o tufão Mangkut chegou a ter rajadas de ventos de 305 km/h antes de deixar as Filipinas e se deslocar em direção a Hong Kong e ao sul da China com ventos de 170 km/h. 

A agência filipina de desastres disse que dois membros de equipes de resgate morreram enquanto tentavam tirar pessoas presas em um deslizamento de terra na região montanhosa Cordillera, enquanto a polícia informou que um corpo foi encontrado em um rio em Manila. 

Mauricio Domogan, prefeito de Bagiuo, disse que três pessoas morreram em deslizamentos de terra e que seis estavam desaparecidas. Não ficou claro se os três mortos incluíam os membros da equipe de resgate. 

"Eles não esperavam que fosse acontecer, por isso não deixaram o local. Infelizmente aconteceu", disse à rádio DZMM.

A agência de meteorologia do país rebaixou o nível de ameaça do fenômeno, mas alertou que o perigo estava longe do fim, com a presença constante de surtos e chuvas pesadas que causaram inundações e deslizamentos. 

O Mangkhut foi uma tempestade de categoria 5 por dias desde que causou destruição no território norte-americano da Micronésia, no Pacífico, antes de se dirigir para as Filipinas, onde é a 15ª e mais forte tempestade registrada neste ano. 

Os ventos do tufão estavam mais fortes que os do furacão Florence nos Estados Unidos, depois que este chegou às Carolinas do Sul e do Norte antes de ser rebaixado ao status de tempestade tropical. 

(Reportagem adicional de Neil Jerome Morales)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.