Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

TÓQUIO (Reuters) - Um tufão se encaminhou para a ilha principal do Japão durante a eleição deste domingo, matando pelo menos duas pessoas e gerando alertas para que dezenas de milhares deixassem suas casas, além do cancelamento de centenas de voos.

Um homem morreu após um andaime ter despencado devido aos fortes ventos e um pescador foi morto enquanto tentava cuidar de seu barco, disse a agência de notícias Kyodo. Outras pessoas tiveram ferimentos leves.

O tufão Lan, classificado como uma tempestade intensa de categoria 4 pelo site de monitoramento Risco de Tempestades Tropicais, estava ao sul do Japão e ia em direção a nordeste a 50 quilômetros por hora na noite de domingo, se acelerando levemente, disse a Agência de Meteorologia do Japão.  

O Lan parece ter enfraquecido desde o auge, mas ainda é uma tempestade poderosa, que pode causar chuvas de mais de 80 milímetros em uma hora no Japão, disse uma autoridade da agência. 

A tempestade deve atingir o solo de Honshu, principal ilha do Japão, possivelmente perto de Tóquio no início da segunda-feira, quando provavelmente terá enfraquecido para uma tempestade de categoria 2.

“O vento e a chuva ficarão mais fortes ao longo da noite, então tomem medidas necessárias o mais cedo possível, de preferência antes que escureça”, disse a autoridade.

A agência divulgou alertas para chuvas fortes e inundação na costa do Pacífico, incluindo a região metropolitana de Tóquio, mesmo que o tufão provavelmente seja rebaixado.

Mais de 70 mil moradores em várias partes do Japão foram aconselhados a deixar suas casas, sendo que mais de 5 mil receberam ordens para fazê-lo, disse a emissora pública NHK.

(Por Elaine Lies e Makiko Yamazaki)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters