Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ativistas de direitos humanos se reúnem em frente ao Palácio de Justiça em Istambul, na Turquia 25/10/2017 REUTERS/Osman Orsal

(reuters_tickers)

Por Ece Toksabay e Ali Kucukgocmen

ISTAMBUL (Reuters) - Ativistas de direitos humanos, incluindo o diretor local da Anistia Internacional na Turquia, foram a julgamento devido a acusações de terrorismo nesta quarta-feira, em um caso que se tornou um foco de tensões entre Ancara e aliados europeus.

A polícia interditou a principal praça nas proximidades do tribunal em Istambul, mas muitos jornalistas e apoiadores dos réus foram à área.

Um grupo de cerca de 50 integrantes de entidades de direitos humanos, consulados estrangeiros e grupos de direitos das mulheres se postou diante da corte com cartazes dizendo "Libertem os Defensores dos Direitos Humanos".

Os 11 ativistas, entre eles um cidadão alemão e um sueco, podem ser condenados a 15 anos de prisão em resultado das acusações, que incluem filiação e ajuda a uma "organização terrorista armada".

Eles foram detidos em julho depois de participarem de um workshop sobre segurança digital em uma ilha próxima de Istambul. O caso aprofundou os temores de que a Turquia, aliada essencial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) que faz fronteira com Iraque, Irã e Síria, esteja se tornando cada vez mais autoritária sob o comando do presidente Tayyip Erdogan.

Erdogan diz que uma operação de repressão desencadeada após o golpe de Estado fracassado do ano passado, que levou 5 mil pessoas à prisão à espera de julgamento, é essencial para manter a estabilidade.

"Isto é ostensivamente um julgamento de defensores dos direitos humanos que participavam de um workshop em uma ilha de Istambul, mas na realidade é o sistema de justiça turco e as autoridades turcas que estão em julgamento", disse John Dalhuisen, diretor da Anistia para a Europa e a Ásia Central, diante do tribunal.

Entre os réus está o diretor da filial turca da Anistia, Idil Eser, o cidadão alemão Peter Frank Steudtner e o cidadão sueco Ali Gharavi.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters