Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Entrada da embaixada dos EUA em Ancara 09/10/2017 REUTERS/Umit Bektas

(reuters_tickers)

Por Tuvan Gumrukcu e Daren Butler

ANCARA (Reuters) - A Turquia pediu nesta segunda-feira aos Estados Unidos que revejam a suspensão dos serviços de emissão de vistos depois que a prisão de um funcionário consular dos EUA na Turquia aumentou as tensões entre os dois país e fez a moeda e as ações turcas caírem.

As relações entre Ancara e Washington vêm sendo abaladas há tempos por discórdias a respeito do apoio dos EUA a combatentes curdos na Síria, pelos clamores turcos pela extradição de um clérigo residente em solo norte-americano e pelo indiciamento de um ex-ministro turco em um tribunal dos EUA.

Mas a prisão de um funcionário turco do consulado dos EUA em Istambul na semana passada abalou ainda mais o relacionamento. A Turquia disse que o funcionário tem laços com o clérigo turco Fethullah Gulen, que Ancara culpa por um golpe militar fracassado em julho de 2016.

A embaixada dos EUA em Ancara classificou as acusações de infundadas, e na noite de domingo anunciou a interrupção de todos os serviços de emissão de vistos na Turquia que não contemplem imigrantes enquanto avalia o comprometimento turco com a segurança de suas missões e funcionários.

Horas depois a Turquia anunciou estar adotando as mesmas medidas contra cidadãos norte-americanos.

Nesta segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores turco convocou um diplomata dos EUA para exortar Washington a cancelar a suspensão de emissão de vistos, dizendo que está causando "tensões desnecessárias".

O ministro da Justiça, Abdulhamit Gul, disse que, se os EUA tiverem preocupações sérias com suas missões na Turquia, medidas serão adotadas para abordá-las.      

"Mas se for uma questão relativa à prisão do funcionário consular, então esta é uma decisão que o Judiciário turco tomou", disse Gul à televisão A Haber. "Julgar um cidadão turco por um crime cometido na Turquia é direito nosso".

A mídia turca noticiou que as autoridades emitiram um mandado de prisão para um segundo funcionário do consulado dos EUA. A Reuters não conseguiu confirmar de imediato as reportagens, que também disseram que a esposa e o filho do funcionário estão sendo interrogados pela polícia.

A crise diplomática assustou os investidores. A lira turca perdeu 2,4 por cento do valor e ficou em 3,7030 dólares, enquanto o principal índice da bolsa da Turquia, o BIST 100, caiu até 4,7 por cento pela manhã.

(Reportagem adicional de Can Sezer, em Istambul, e Gulsen Solaker, em Ancara)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters