Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump chega ao aeroporto de Palm Beach 13/4/2017 REUTERS/Yuri Gripas

(reuters_tickers)

Por Andrew Osborn

MOSCOU (Reuters) - Agora que as esperanças russas de uma melhora nas relações sob o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, desapareceram, a mídia estatal da Rússia, que saudou sua vitória eleitoral, deu meia-volta, dizendo no domingo que ele é mais assustador que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-Un.

A decisão de Trump de realizar um ataque com mísseis contra a Síria, uma aliada da Rússia, de lançar uma bomba gigantesca no Afeganistão e se ater à posição do ex-presidente Barack Obama em relação à Crimeia significam que a esperança russa para que o líder norte-americano se tornasse um amigo do Kremlin vêm perdendo força.

Se a televisão estatal servir de exemplo, o discurso duro de Trump sobre o programa nuclear norte-coreano e sua decisão de despachar uma força de ataque naval para a região parecem ter enterrado qualquer expectativa russa de que Trump pudesse intervir menos do que seus antecessores em questões de política externa.

Dmitry Kiselyov, âncora do principal noticiário semanal russo, "Vesti Nedeli", do canal de TV Rossiya 1, é visto por muitos como o maior apresentador pró-Kremlin do país. Ele já havia começado a pisar no freio da Trumpomania e a criticar o presidente dos EUA.

Mas no domingo, seu primeiro programa desde a primeira visita de Rex Tillerson a Moscou como secretário de Estado dos EUA, Kiselyov, que já elogiou Trump por sua "independência" do establishment político norte-americano, deixou as sutilezas de lado.

"O mundo está a um suspiro da guerra nuclear", afirmou Kiselyov. "A guerra pode irromper como resultado da confrontação entre duas personalidades: Donald Trump e Kim Jong-Un. Ambos são perigosos, mas quem é mais perigoso? É Trump".

Depois ele disse que ambos compartilham alguns traços negativos: "Experiência internacional limitada, imprevisibilidade e uma prontidão de ir à guerra".

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, não quis dizer se a visão do âncora ecoa a da Presidência, mas disse que suas opiniões não são necessariamente intercambiáveis com a postura oficial. "Sua posição é semelhante, mas não todas as vezes", explicou Peskov.

Mesmo assim, o fato de Kiselyov ter liberdade para usar uma retórica tão dura sobre Trump provavelmente reflete o nível da revolta do Kremlin com o que vê como a incapacidade de Trump de cumprir sua promessa de estabelecer uma relação melhor com Moscou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters