Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados e tanques russos em Kamensk-Shakhtinsky, na região de Rostov, perto da fronteira com a Ucrânia. 23/08/2014 REUTERS/Alexander Demianchuk

(reuters_tickers)

Por Pavel Polityuk e Alessandra Prentice

KIEV (Reuters) - Os militares da Ucrânia disseram nesta segunda-feira que um grupo de forças russas que se faziam passar por rebeldes separatistas cruzou a fronteira sudeste do país com dez tanques e dois veículos blindados de infantaria, com o objetivo de abrir uma nova frente no conflito separatista.

Um pouco antes, um comunicado militar disse que guardas de fronteira tinham detido o avanço de uma coluna de blindados nos arredores de Novoazovsk, a localizada situada no ponto mais extremo do sudeste na região do Mar Azov, e moradores locais, contatados por telefone, disseram ter viso tanques e outros veículos blindados se movimentando perto da cidade.

"Esta manhã houve uma tentativa de militares russos disfarçados de combatentes de Donbas de abrir uma nova área de confronto militar na região de Donetsk, no sul", disse o porta-voz Andriy Lysenko a jornalistas.

Donbas é o nome dado localmente ao leste industrializado da Ucrânia, palco do conflito de cinco meses.

Se os rebeldes tomarem o controle das regiões do sul, eles poderiam dar apoio ao bastião separatista de Donetsk, a partir do sul, com acesso mais fácil à fronteira russa.

Combates entre forças do governo e separatistas pró-Rússia vêm se concentrando até agora ao redor das duas maiores cidades sob controle rebelde, Donetsk e Lugansk.

A Ucrânia acusa a Rússia de promover rotineiramente ataques contra posições do governo ucraniano através da fronteira em apoio aos rebeldes que estão cada vez mais cercados pelas forças de Kiev.

A nova acusação de uma flagrante incursão militar russa na Ucrânia certamente vai azedar ainda mais a atmosfera entre os dois países antes das conversações na terça-feira entre o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, e o da Rússia, Vladimir Putin.

Reuters