Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Natalia Zinets e Dmitry Madorsky

KIEV/VORONEZH Rússia (Reuters) - A Ucrânia descreveu o envio de um comboio de ajuda da Rússia, atualmente a caminho de sua fronteira, como um ato cínico que objetiva insuflar a rebelião pró-Moscou, que a ONU informou nesta quarta-feira já ter cobrado quase mil vidas de combatentes e civis em duas semanas.

Kiev declarou que o comboio não terá permissão para passar, mas mais tarde um porta-voz presidencial sugeriu que um acordo pode ser alcançado, colocando-o sob o controle do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (ICRC, na sigla em inglês).

"Primeiro eles mandam tanques, mísseis Grad e bandidos que atiram em ucranianos, e depois mandam água e sal", declarou o primeiro-ministro, Arseny Yatseniuk, sobre o conflito que matou mais de duas mil pessoas desde meados de abril.

"Não há limites para o cinismo russo".

As declarações refletiram as suspeitas em Kiev e em capitais ocidentais de que a entrada do comboio em território ucraniano possa se tornar uma ação militar disfarçada para ajudar os separatistas do leste, que vêm perdendo terreno para as forças do governo.

A Rússia, que vê os ucranianos que falam russo do leste sob ameaça de um governo que considera chauvinista, afirmou que qualquer insinuação de uma ligação entre o comboio e um plano de invasão é absurda.

O comboio de caminhões partiu da região de Moscou na terça-feira e viajou cerca de 500 quilômetros até a cidade de Voronezh, no sudoeste russo. Lá parou em uma base aérea, de acordo com um repórter da Reuters.

Uma porta-voz da ICRC em Genebra disse que a Rússia forneceu uma "lista generalizada" de bens no comboio para a entidade e as autoridades ucranianas, mas a agência necessita de um inventário detalhado.

"Uma série de temas importantes ainda precisa ser esclarecida entre os dois lados, como os procedimentos de cruzamento da fronteira, liberação na alfândega e outros", disse Anastasia Isyuk.

A lista dos 260 caminhões fornecida por Moscou inclui alimentos, garrafas de água e geradores de energia, disse ela.

A porta-voz de direitos humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Cécile Pouilly, declarou que o número estimado de mortes saltou de 1.129 em 26 de julho para 2.086 em 10 de agosto. As cifras incluem soldados ucranianos, grupos rebeldes e civis, mas trata-se de "estimativas bastante conservadoras".

"Isto corresponde a uma tendência clara de escalada", disse ela à Reuters.

Não ficou claro se os números refletem um agravamento nos combates ou atrasos na coleta de dados de governo e agências locais.

(Reportagem adicional de Stephanie Nebehay, em Genebra; Jason Bush, em Moscou; e Pavel Polityuk e Alessandra Prentice, em Kiev)

Reuters