Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Em foto de arquivo, vista geral da fábrica da Yuzhmash em Dnipropetrovsk, Ucrânia 21/10/2014 Mykhailo Markiv/Ukrainian Presidential Press Service/Pool via REUTERS

(reuters_tickers)

KIEV (Reuters) - A Ucrânia negou nesta segunda-feira que em algum momento proporcionou tecnologia de defesa à Coreia do Norte, respondendo a um artigo do jornal New York Times segundo o qual Pyongyang pode ter comprado motores de foguete da fábrica ucraniana Yuzhmash.

O temor de que a Coreia do Norte esteja próxima de seu objetivo de colocar o território continental dos Estados Unidos ao alcance de uma arma nuclear levou a um aumento nas tensões nos últimos meses. Washington é um dos principais apoiadores da Ucrânia.

O secretário do Conselho de Segurança e Defesa ucraniano, Oleksandr Turchynov, disse que seu país "nunca forneceu motores de foguete ou qualquer tipo de tecnologia de mísseis à Coreia do Norte".

A estatal Yuzhmash disse que não produz mísseis balísticos de uso militar desde a independência da antiga União Soviética em 1991.

"Nos anos de independência, a Yuzhmash não produziu, e não está produzindo, mísseis e sistemas de mísseis militares", afirmou a empresa em um comunicado publicado em seu site.

O presidente dos EUA, Donald Trump, alertou no final de semana que seus militares estão preparados se a Coreia do Norte agir insensatamente depois de ter ameaçado disparar mísseis perto de Guam, território norte-americano no Oceano Pacífico, na semana passada.

Por sua vez, autoridades norte-coreanas acusaram o líder norte-americano de deixar a península coreana à beira de uma guerra nuclear.

No domingo o diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA), Mike Pompeo, disse que não ficaria surpreso se a Coreia do Norte testasse outro míssil, já que realizou dois testes em julho.     

(Por Natalia Zinets e Alessandra Prentice)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters