Navigation

UE exige fim de projeto britânico que viola tratado do Brexit; Reino Unido recusa

Ponte de Westminster, em Londres 10/09/2020 REUTERS/Henry Nicholls reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 10. setembro 2020 - 20:38

Por William James e Gabriela Baczynska

LONDRES/BRUXELAS (Reuters) - A União Europeia afirmou ao Reino Unido nesta quinta-feira que o país precisa abandonar urgentemente uma proposta de violar o tratado de saída do bloco, mas o governo do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, recusou e seguiu em frente com um projeto de lei que poderia afundar quatro anos de negociações do Brexit.

A Comissão Europeia disse que está acelerando os preparativos para a conclusão do confuso processo de saída britânica da UE, e que o Reino Unido estaria cometendo "uma violação extremamente grave" do Acordo de Retirada do ano passado se for adiante com a legislação proposta.

Após negociações de emergência entre o vice-presidente da Comissão, Maros Sefcovic, e o representante britânico para o Brexit, Michael Gove, a UE informou que a proposta do Reino Unido "prejudicou seriamente a confiança", e que o Reino Unido agora deve tomar medidas para restabelecê-la.

Gove, um dos ministros mais graduados de Johnson, disse que recusou o pedido da UE de descartar o projeto de lei.

"Expliquei ao vice-presidente Sefcovic que não podíamos e não faríamos isso", afirmou Gove.

Diplomatas e autoridades da UE disseram que o bloco pode entrar com uma ação legal contra o Reino Unido, embora não haverá resolução antes do prazo do fim do ano para a saída britânica total após período de transição.

O governo britânico diz que está comprometido com o tratado e que uma proposta de lei que substitui partes do Acordo de Retirada apenas esclarece ambiguidades. A prioridade, segundo o governo, é o acordo de paz da Irlanda do Norte de 1998, que encerrou décadas de violência.

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, disse a seu homólogo britânico, Dominic Raab, que uma violação do Acordo de Retirada com a UE seria "inaceitável", afirmou uma porta-voz.

Os líderes europeus receberam um ultimato: aceitar a violação do tratado ou se preparar para um divórcio complicado que pode semear o caos nas cadeias de abastecimento em toda a Europa e assustar os mercados financeiros globais.

O Reino Unido assinou o tratado e deixou formalmente a UE em janeiro, após mais de três anos de crises e disputas sobre o Brexit. No entanto, permanece como membro em tudo, exceto no nome, até o final do ano, quando um acordo de transição expira.

A libra caiu em relação ao dólar e ao euro e o índice de ações FTSE 100 caiu. A chefe do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, disse que estava monitorando os desenvolvimentos do Brexit.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.