Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro de Relações Exteriores da Espanha, Alfonso Dastis, durante coletiva de imprensa em Tallinn, na Estônia 26/04/2017 REUTERS/Ints Kalnins

(reuters_tickers)

BRUXELAS (Reuters) - Os ministros das Relações Exteriores da União Europeia aprovaram sanções econômicas contra a Venezuela, incluindo um embargo de armas, nesta segunda-feira, argumentando que as eleições regionais venezuelanas do mês passado aprofundaram a crise no país sul-americano.

Atentos a não levarem a Venezuela ainda mais perto do colapso econômico e político, governos da UE evitaram mirar quaisquer indivíduos, deixando nomes para uma fase posterior para tentar persuadir o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a acalmar a situação.

"Tudo que fazemos visa buscar um diálogo entre o governo e a oposição para encontrar uma solução democrática e pacífica", disse o chanceler espanhol, Alfonso Dastis, a repórteres em uma reunião com seus colegas na qual a decisão sobre as sanções foi tomada.

A Espanha vem pressionando há tempos por sanções a elementos próximos de Maduro, que Washington acusa de ter instaurado uma ditadura, mas a UE está dividida sobre quem punir.

Em um comunicado conjunto, todos os 28 chanceleres do bloco disseram que a base legal para proibições de viagens de indivíduos para a UE e o congelamento de bens no bloco "será usada de uma maneira gradual e flexível e pode ser ampliada".

No comunicado, os ministros disseram que as eleições regionais venezuelanas de 15 de outubro foram um divisor de águas que endureceu a posição do bloco e que ocorreram em meio a "numerosas irregularidades relatadas".

Os resultados pareceram favorecer o governista Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) de Maduro. Pesquisas indicavam que a oposição conquistaria uma maioria com facilidade, mas esta só conquistou alguns governos estaduais, de acordo com o Conselho Nacional Eleitoral pró-governo.

Os chanceleres da UE decidirão quem submeter a sanções em uma fase posterior, mas disseram que se concentrarão nas forças de segurança e em ministros e instituições de governo acusados de violações de direitos humanos e de "desrespeito aos princípios democráticos ou ao Estado de Direito".

(Por Robin Emmott)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters