Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

LUXEMBURGO (Reuters) - A União Europeia baniu nesta segunda-feira a venda de petróleo e produtos derivados à Coreia do Norte, em uma decisão em grande parte simbólica visando encorajar Estados com níveis mais significativos de comércio com o país recluso a fazer o mesmo.

Ministros de Relações Exteriores da União Europeia também impuseram uma proibição total ao comércio com a Coreia do Norte, em sanções que vão além das medidas mais recentes da ONU. A União Europeia não vende petróleo a Pyongyang.

Após o teste nuclear mais potente da Coreia do Norte, o Conselho de Segurança da ONU limitou as importações norte-coreanas de petróleo, mas a China e a Rússia resistiram a implementar uma proibição total.

Os ministros da União Europeia citaram "a ameaça persistente à paz e estabilidade internacional" que Pyongyang representa.

Como parte das medidas, trabalhadores norte-coreanos na União Europeia --estimados em cerca de 400, principalmente na Polônia-- agora têm um limite menor na quantidade de dinheiro que podem enviar para casa, e seus vistos de trabalho não serão renovados quando expirarem.

As sanções acrescentam mais três importantes autoridades norte-coreanas e seis empresas a uma lista negra, que os proíbe de viajar à União Europeia e congela seus bens.

Isso leva o total de sancionados pelo bloco a 41 indivíduos e 10 empresas, afirmou uma autoridade graduada da UE. As sanções da ONU visam 63 pessoas e 53 companhias e instituições.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters