Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Polícia e ambulâncias são vistos em Nova York após atropelamento 31/10/2017 REUTERS/Brendan McDermid

(reuters_tickers)

Por Gina Cherelus e Jonathan Allen

NOVA YORK (Reuters) - Várias pessoas morreram e outras ficaram feridas em Nova York, nesta terça-feira, depois que um veículo invadiu uma ciclovia ao longo do rio Hudson em Manhattan, informou a polícia.

De acordo com duas fontes do governo dos Estados Unidos, o incidente está sendo tratado como um ataque terrorista e o FBI se juntou à polícia de Nova York na investigação.

O Departamento de Polícia da Cidade de Nova York disse em uma publicação no Twitter que um veículo atingiu outro, e então o motorista de um dos veículos "saiu exibindo imitações de armas de fogo e foi baleado pela polícia".

A polícia afirmou que o suspeito foi levado sob custódia.

Um porta-voz policial postou uma foto mostrando uma caminhonete branca na pista de bicicleta, com a frente amassada.

Uma testemunha disse ao ABC Channel 7 que viu uma caminhonete branca se dirigir para o sul pela pista de bicicleta ao longo da West Side Highway a toda velocidade e atingir várias pessoas. A testemunha, um homem identificado com o nome de "Eugene", afirmou que havia corpos do lado de fora da Stuyvesant High School, uma das escolas públicas de elite da cidade.

Ele também relatou ter ouvido cerca de nove ou 10 tiros, mas não tinha certeza de onde eles vieram.

Um vídeo aparentemente filmado no local e que circulou online mostrou bicicletas espalhadas e duas pessoas deitadas no chão.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi informado do ataque, segundo a Casa Branca.

A Câmara Municipal disse que o prefeito Bill de Blasio havia sido informado sobre o incidente. O gabinete do governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse que o governador estava indo para o local.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters