Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Entrada do prédio da CIA em Langly, no Estádio da Virginia, nos EUA. 14/08/2008 REUTERS/Larry Downing

(reuters_tickers)

Por Tom Miles

GENEBRA (Reuters) - As revelações do WikiLeaks sobre o uso que a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) faz de ferramentas de ciberespionagem mostram os riscos da vigilância em massa e fortalecem a defesa de uma regulamentação internacional, disse um especialista independente em privacidade da ONU.

O WikiLeaks publicou na terça-feira o que disse serem milhares de páginas de discussões internas da CIA sobre técnicas de invasão cibernética usadas ao longo de vários anos.

A CIA não quis comentar a autenticidade dos supostos documentos de inteligência, mas especialistas em cibersegurança disseram que parecem ser autênticos.

Joe Cannataci, relator especial da ONU sobre o direito à privacidade, um cargo criado em 2015 após as revelações do ex- prestador de serviços de agência de inteligência dos EUA Edward Snowden sobre a vigilância praticada pelo país, disse não estar surpreso com as capacidades da CIA, mas que o caso enfatiza os riscos de segurança crescentes e a necessidade de uma supervisão eficiente.

"Provavelmente a verdadeira história aqui é que alguém conseguiu entrar nos espaços supostamente seguros da CIA, extrair e publicar estas coisas", disse à Reuters.

Cannataci se reportou ao Conselho de Direitos Humanos da ONU nesta semana e exortou os Estados a trabalharem para criar um tratado internacional que proteja a privacidade das pessoas, dizendo que as salvaguardas tradicionais se tornaram obsoletas na era digital.

A divulgação do WikiLeaks deu fôlego ao clamor por uma avaliação dos mecanismos de supervisão de inteligência e por seu reforço em todo o mundo, disse.

"A história sobre as técnicas de hackeamento da CIA no WikiLeaks é mais uma prova, se alguma é necessária, de que as agências de inteligência e os dados que coletam muitas vezes são tão vulneráveis quando os de qualquer um e que elas não deveriam estar correndo o risco de coletar enormes quantidades de dados sobre todos nós de maneira indiscriminada"

Cannataci citou indícios de que informações coletadas por países, inclusive por meio da aquisição em larga escala e da vigilância em massa, estão cada vez mais vulneráveis a invasões virtuais de governos estrangeiros ou do crime organizado.

Reuters