Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Membro da Assembleia Constituinte da Venezuela Diosdado Cabello, durante sessão em Caracas 05/08/2017 REUTERS/Marco Bello

(reuters_tickers)

Por Diego Oré

CARACAS (Reuters) - A Venezuela processará todos aqueles que apoiarem as sanções adotadas recentemente pelos Estados Unidos contra o país, segundo medida aprovada na terça-feira pela Assembleia Constituinte, composta apenas por apoiadores do governo.

Na semana passada Washington impôs sanções financeiras a Caracas na tentativa de reduzir os fundos do governo do presidente Nicolás Maduro, já afetado gravemente pela falta de dinheiro.

Maduro descreveu a medida como ilegal e concebida para "asfixiar" a economia e levar a nação rica em petróleo a um default.

"Aceitamos o pedido do presidente Nicolás Maduro para iniciar, junto com as autoridades públicas competentes, um julgamento histórico de traição contra aqueles dedicados à promoção destas ações imorais contra os interesses do povo venezuelano", disse Diosdado Cabello, um dos principais membros da Assembleia.

Delcy Rodríguez, ex-ministra das Relações Exteriores venezuelana que hoje preside a Constituinte, disse que cobrará da Procuradoria-Geral e do Tribunal Supremo o início de investigações.

Durante o debate de quase três horas, membros acusaram políticos opositores de apoiarem as sanções e divulgaram um comunicado emitido pela oposição no qual esta comemora as sanções do governo do presidente dos EUA, Donald Trump.

A Venezuela está atravessando uma crise econômica inédita, e milhões estão sofrendo com a falta de alimentos e remédios e a inflação de três dígitos.

O presidente socialista acusa seus opositores de realizarem uma "guerra econômica" contra o país com ajuda dos EUA.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters