Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, durante cerimônia no Chile 16/08/2017 REUTERS/Ivan Alvarado

(reuters_tickers)

Por Rosalba O'Brien

SANTIAGO (Reuters) - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, pediu nesta quarta-feira para Brasil, Peru, Chile e México romperem laços com a Coreia do Norte, acrescentando que “todas as opções” estão na mesa com relação ao Estado asiático.

“Os EUA colocam grande importância no atual isolamento diplomático do regime Kim e nós pedimos fortemente ao Chile hoje, e pedimos a Brasil, México e Peru para romperem todos os laços diplomáticos e comerciais com a Coreia do Norte”, disse Pence durante visita ao Chile em entrevista coletiva conjunta com a presidente chilena, Michelle Bachelet.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, alertou à Coreia do Norte na semana passada que o país irá enfrentar “fogo e fúria” caso ameace os Estados Unidos, fazendo com que a Coreia do Norte dissesse estar considerando planos de disparar mísseis em direção à ilha de Guam, no Pacífico.

O líder norte-coreano, Kim Jong Un, posteriormente adiou a decisão de disparar os mísseis, uma ação que Trump elogiou nesta quarta-feira.

    O comércio entre países latino-americanos e a Coreia do Norte não é significativo.

    O Brasil, maior economia da região, teve somente 2,1 milhões de dólares em exportações --principalmente de café, carne, tabaco e couro-- e 8,7 milhões de dólares em importações da Coreia do Norte em 2016, de acordo com dados oficiais. A Coreia do Norte possui uma embaixada em Brasília e o Brasil abriu uma embaixada em Pyongyang em 2009.

    “O Brasil segue as decisões de organizações multilaterais”, disse um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores quando questionado se Brasília irá romper laços comerciais e diplomáticos.

    O Peru não foi diretamente solicitado pelos Estados Unidos a romper laços com a Coreia do Norte e atualmente não está planejando qualquer ação, disse uma fonte do governo.

    Lima, que condenou testes de mísseis da Coreia do Norte no passado, pediu para o país reduzir seus funcionários da embaixada há dois meses por conta de uma questão não relacionada, disse a fonte.

    O Chile possui um acordo conjunto de relações diplomáticas com a Coreia do Norte e a China, mas não apresentou credenciais diplomáticas por quatro anos, de acordo com Pence.

    “Eu pedi a Bachelet hoje para romper este relacionamento”, disse Pence.

    Pence disse que dará “boas-vindas especiais” à reclassificação do Chile das exportações de vinho como um bem de luxo, o que colocará o item sob as sanções da Organização das Nações Unidas contra o isolado país. O Chile é o maior exportador mundial de vinhos fora da Europa.

    A Argentina, terceira economia da América Latina, disse não ter relações diplomáticas com a Coreia do Norte.

    Os governos de esquerda de Cuba e Venezuela, no entanto, seguem basicamente em silêncio sobre o atual impasse, embora o embaixador norte-coreano na Venezuela tenha dito recentemente que os dois países estavam interessados em impulsionar relações.

(Reportagem adicional de Anthony Boadle, em Brasília, Bruno Federowski e Brad Brooks, em São Paulo, Mitra Taj, em Lima, Caroline Stauffer, em Buenos Aires, e Brian Ellsworth, em Caracas)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters