Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Michel Rose

PARIS (Reuters) - Os visitantes do Louvre ficaram sabendo da tentativa de ataque desta sexta-feira pelo sistema de alto-falantes e não houve pânico, disseram testemunhas, embora algumas crianças tenham chorado quando os seguranças instruíram as pessoas a se sentarem bem juntas e longe das janelas do museu de Paris.

Um soldado francês baleou e feriu nesta sexta-feira um homem armado com um facão que levava duas sacolas nas costas e que tentava entrar no renomado museu, o que a polícia disse ter parecido ser um ataque terrorista.

O homem, que a polícia disse ter gritado Allahu Akbar (Deus é grande) ao se lançar na direção do museu, está vivo, mas seriamente ferido. As sacolas que ele portava não continham explosivos.

"(O aviso) veio pelos alto-falantes espalhados no museu", disse Paul Lecher, parisiense aposentado de 68 anos e frequentador do Louvre.

"Tudo aconteceu calmamente", contou à Reuters. "Foi só uma questão de ouvir... as pessoas entenderam rapidamente, até aquelas que não entendiam uma palavra de francês, que algo incomum estava acontecendo."

O Louvre, que abriga a "Mona Lisa" de Leonardo da Vinci, artefatos egípcios antigos e incontáveis outros tesouros, é uma grande atração turística. Localizado em um antigo palácio real às margens do Sena, ele recebeu 7,3 milhões de visitantes no ano passado.

(Por Michel Rose)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters