Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

KUALA LUMPUR/SYDNEY (Reuters) - Um voo da Malaysia Airlines de Melbourne para Kuala Lumpur voltou ao aeroporto da Austrália pouco depois de decolar no final desta quarta-feira, pelo horário local, depois de um passageiro tentar invadir a cabine dos pilotos, informaram autoridades.

Os passageiros e a tripulação do voo MH128 tiveram que contê-lo e amarrá-lo com cintos de segurança até o avião pousar, disse uma testemunha à Reuters.

O voo pousou sem problemas e o homem foi detido por seguranças do aeroporto, disse a Malaysia Airlines, que ainda se recupera de dois grandes acidentes aéreos nos últimos anos.

A empresa enfatizou em um comunicado que o voo não chegou a ser sequestrado em nenhum momento.

O voo MH128 retornou ao Aeroporto Tullamarine, em Melbourne, "depois que o capitão no comando foi alertado por um tripulante a respeito de um passageiro que tentava entrar na cabine", disse o comunicado. O avião havia partido às 23h11 locais e voltou às 23h41.

"A Malaysia Airlines, juntamente com as autoridades australianas, irá investigar o incidente", acrescentou o informe.

Os passageiros desembarcaram tranquilamente da aeronave, e aqueles que foram prejudicados tiveram a possibilidade de embarcar nos próximos voos disponíveis de outras companhias aéreas, disse a empresa.

Arif Chaudhery, que estava a bordo do voo MH128, contou à Reuters que após a decolagem um passageiro atacou uma tripulante, que gritou pedindo ajuda.

"Alguns passageiros e tripulantes agarraram o homem e o atiraram no chão", relatou Chaudhery, acrescentando que cintos de segurança foram usados para atar as mãos do homem.

"Tivemos muita sorte. Poderia ter sido pior", completou.

(Por A. Ananthalakshmi e Jim Regan)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters